terça-feira, 28 de julho de 2015

O que não estamos vendo?




A Rede ainda é uma enorme incógnita para todos nós, simples mortais. É uma ferramenta útil, prática, mas também é um instrumento de monitoração permanente dos seus usuários, ausentes ou presentes. Você não utiliza só a internet, tem também o celular, a TV a cabo, os cartões de crédito e de débito, os cartões de transporte urbano, sem contar as milhares de milhares de câmeras espalhadas por onde você vai. 





Estes dados estão sendo compilados em verdadeiras cidades cibernéticas, fora do alcance da nossa compreensão. Neles consta seu perfil ideológico, sua sexualidade, suas preferências sociais e sexuais, seus desejos, suas posses, seu grau de conhecimento, suas viagens, seus contatos, suas fotos postadas ou recebidas, todo - sim, todo o seu histórico virtual, desde o princípio, seus delitos e benesses, etc. Quem utiliza estes dados? Deus é que não é...





Dia destes um site em pleno e bom português, supostamente sediado na Suécia, apareceu vendendo todas as informações a respeito de quaisquer pessoas, por um quantia módica em Bitcoins, a moeda internacional aos poucos sendo empurrada goela a baixo da plebe rude. Foi desaparecido na poeira da Net, por que gerou insegurança. É melhor não sabermos que há uma vigilância mundial, assim caminha a humanidade.





E, lembre-se: A Internet não esquece nunca. Tudo está arquivado, quer queira ou não. Não esquece não perdoa. 




É isto aí!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gratidão!