segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Odete, a legítima proprietária do Striplex de Brasília




Fora do movimento tradicional que é Odete me ligar, tendo em vista o seu elevado compromisso social, político, societário, judicial etc e tal, tomei a liberdade e a iniciativa de pegar meu Nokia original e buscar-lhe na célula de algum lugar do planeta Terra. 





Falando em ligar a coisa à pessoa, reza a lenda que determinado senhor da mais elitizada turma do pato amarelo, destes que não pagam o pato nem afogam o ganso, apaixonou-se de tal forma pela voluntariedade de Odete pelas causas perdidas, que presenteou-a com o uso irrestrito de um Striplex conjugado às margens do Paranoá. Na retórica das delações caiu em dezenas de contradições, apareceram centenas de documentos, dúzias de testemunhas, mas a sua honra estava salva - o striplex não passou pelo crivo dos bens arrolados, graças às delações luxuriantes de Odete no Ministério da Salvação dos Homens Bons. 





Amore?? Uau, estou trêmula só de saber que você ligou para mim.





Odete, desculpa se o horário é incômodo.





Tem nada de incômodo, amore, estou no striplex do patinho amarelo  - gostou do nome? eu que criei! . Neste momento estou ensinando pole dance para umas meninas moças da nata da sociedade local, iniciadas, articuladas e psicanalisadas. Ao ritmo de Leo Santana, elas fazem de tudo no pole dance. Ouça aí, fecha o olhos e imagina as lolitas se desmanchando aqui no ensaio -  Foi pro baile muito louca / Afim de se envolver / Só tem 18 anos / O que vai acontecer? / Vai dar pt, vai dar / Vai dar vai dar pt ...





Nossa, Odete, que viagem mental  eu fiz agora.





Então, amore, o que está querendo com sua Odete?





Tudo, mas neste momento só uma dúvida, Odete, por que o fenício mandou tirar a faixa do Conde Vlad da Transilvânia Tabajara?





Bem, amore, como sabe, eu só faço delação com provas e testemunhas. Hummm, falando nisto, aprendi uma delação que tenho que fazer com você. Bem, depois, juntos, eu explico como funciona o mecanismo. Bem, voltando ao assunto ...





Sim ...





Dia destes estava no Salão da Gutinha, onde passa toda a vaidade do Plano Piloto. Pois bem, eu soube que o caso do Conde Vlad da Transilvânia Tabajara foi um caso típico de transferência.





Como assim, Odete?





Bem amore, segundo ouvi da Gutinha, ela soube pela Gracinha, prima irmã de Sabrina, que confidenciou-lhe que escutou de Amaralina, que foi informada pela Jojô, secretária recatada e do lar de Claudinha, que lhe disse que ouviu da esposa de Bartolomeu Fisstech, famoso psicanalista de dez entre dez personalidades paranoides da velha república ora instalada, que Dom Fenício, o Velho, ao ver o Conde Vlad Tabajara no desfile, sentado em total silêncio ao lado da sua cônjuge, teve uma crise de transferência em surto.





Crise de transferência em  surto?





Sim, amore, foi um choque terapêutico, como se aquela pessoa estereotipada preenchesse o vazio ou a falta de si ao ver outra pessoa ocupando o cargo que supostamente ocupa. Este vazio que lhe faz falta pelo conflito eu/tabajara importante em sua vida, o levou a gritar - tirem a faixa ... tirem a faixa ...





Uau, então foi isto.





Exatamente, mas, mas agora esquece isso, vem amore para Brasília, fazer uma intervenção em mim, vem, amore, me ter em Brasília. Vou fazer um Pole só para você e ao fundo Leo Santana - Vai dar pt, vai dar / Vai dar pt, vai dar pt ...





Espera, Odete, alô, alô ... espera, não desliga ... tum tum tum ... droga, perdi a faixa ...





É isto ai!











Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gratidão!