terça-feira, 6 de março de 2018

Curvas do tempo (poemeu)



Desenhei

de memória

(rasguei teus retratos, lembra?)

as curvas

do teu corpo (que nunca esqueci)

no meu presente

e, saiba ...

foi muito difícil.

que curvas!

ainda estão todas lá,

num passado

particípio triste

onde sonhava

com um futuro

que não existe (mais ... nunca mais)



É isto aí!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gratidão!