terça-feira, 30 de abril de 2013

A democracia da bola!





Vamos devagar para não perdermos o raciocínio. Aprendi lá na minha adolescência  que a ditadura na pátria amada era para defender o capitalismo, pois o comunismo era antitético a esta esfera econômica. Acho isto sempre intrigante, pois ambos concederam à humanidade ditaduras violentas, cruéis e autoritárias, onde uma meia dúzia de poucos mamaram e ganharam fortunas em nome da democracia, que curiosamente está inserida nas duas modalidades.

Hoje não há mais um processo comunista em voga ou na moda. Há um capitalismo estatal e um capitalismo bancário, que se afrontam, erguem punhos, batem de frente, promovem, erguem e destroem uns aos outros. O que virá depois? Isto não sei, mas que os que estão por cima manipulam os que estão por baixo, é nítido.

Enquanto isto, por estas estranhas coincidências do mundo, dois clubes de futebol alemão demonstram a força de seu povo diante da combalida Espanha e seu futebol alegre. É querer demais deste blogueiro acreditar que todas estas coincidências são apenas coincidências, com o velho continente em polvorosa, e a Merkel, a rainha da linha dura do alto meretrício capitalista, em risco de abandono nas eleições que se aproximam.

Bem, hoje foi o Real Madrid, que saiu de cena e amanhã é provável que Barcelona veja o mesmo filme, considerando que dois gols em Munique foram escandalosamente irregulares, além de faltas não marcadas, etc, como o pênalti com mão vergonhosa no jogo desta tarde em Madrid. Estranho, muito estranho. Estas vitórias dos espanhóis sobre os alemães colocariam um ímpeto em seu povo, mas o golpe foi duro.

Enquanto isto, há uma limpeza de fachada na maior entidade esportiva do planeta, em nome da nova ordem da safadeza mundial. Saem os velhos latinos e entram os velhos alpinos...nada, nada, é nada mesmo.

É isto aí!

segunda-feira, 29 de abril de 2013

A Igreja do Diabo

A violência está na moda, nas esquinas, nas praças e nos botecos. Está também no cinema, nas novelas e nos seriados. Tem-se violência nas igrejas, nas escolas e nas empresas. Enfim, está no meio e entre nós e nos amedronta, nos acua e nos faz sentir pavor do outro, qualquer que seja o outro.

A novidade é a exteriorização da violência da fé, onde pessoas que deveriam falar do amor ao próximo, proclamam o ódio aos que ali não se encontram. Ódio, ódio, ódio, muito ódio, e claro, seguido de muito dinheiro, afinal nenhum destes líderes espirituais que falam de um deus filho de uma puta deste (não achei outra expressão melhor), trabalha o medo para ficar rico, coisa que não era antes de ser pacto deste deus, ou algo semelhante.

E o diabo delira, pois entra e sai com uma frequência demoníaca destes templos. Como tem capeta neste meio. É um negócio infernal, digamos assim. As pessoas estão sempre possuídas, e para desencapetar, pagam aos líderes pactuados com um deus destes que dialogam com o maldito. Pronto, está salvo, vá, pague seu quinhão e não encapete mais.

O incrível é que não há novidade nisto. Em 1884, Machado de Assis publicou o conto "A Igreja do Diabo",
quando narra que o Diabo decide fundar sua própria religião onde as pessoas seriam livres para praticar impiedades. Todavia a tendência humana de contradizer-se levam seus adeptos a praticarem o bem.

Este é o nó do ódio dos líderes destes tempos - o povo, na sua essência, é bom. Enfim, vai dar merda esta merda!

É isto aí!

domingo, 28 de abril de 2013

Estou contido!




Andei evitando o blog por estes dias, meus fieis e amigos leitores. Sim, é verdade, recebi outras cartas daquelas de crises existenciais; sim é verdade, sempre acho que são de brincadeira; sim, é verdade, acabo publicando. O que levam as pessoas a enviarem suas dores para este insignificante espaço virtual? Talvez a solidão, a angústia de quem não ama, apaixona-se e pensa que ama. Sofre mais desta forma, mas diz que é amor.

Mas não foi isto que promoveu o afastamento das palavras. Elas estão todas ali  como uma imagem dentro de um bloco de mármore, à espera de serem libertas pelas mãos do escultor, com toda a graciosa leveza do ser.

O afastamento é uma reflexão. Este blog tinha a intenção anterior de ser um manifesto pela ética, pela moral, pelo sentido lato de ser humano, mas venho testemunhando tantas atrocidades em nome de um deus que desconheço, em nome de um poder que ameaça, em nome de uma farsa que não se esgota, que fiquei estarrecido, e por consequência, calado.

Nos últimos trinta dias, dois blogs de próxima intenção e conteúdo, porém mais acirrados pela justiça, sofreram as agruras da violenta manifestação contrária ao mal que se espalha, cegando as pessoas pelas drogas, pelo sexo, pelos esportes e pela, sobretudo pela fé. Isto, confesso, abateu meu ímpeto. Foi determinante para mim ver pessoas honestas expondo seus pensamento e colhendo a fúria física dos desonestos.

Não posso continuar a ser um guerreiro moicano, sem lado, mas com uma causa justa. Vamos caminhar desta forma, se ficar chato, resolvo de outro jeito.

É isto aí!

terça-feira, 23 de abril de 2013

Te amo puta!




Carlos Drummond de Andrade 


A puta





Quero conhecer a puta.


A puta da cidade. A única.


A fornecedora.


Na rua de Baixo


Onde é proibido passar.


Onde o ar é vidro ardendo


E labaredas torram a língua


De quem disser: Eu quero


A puta


Quero a puta quero a puta.





Ela arreganha dentes largos


De longe. Na mata do cabelo


Se abre toda, chupante


Boca de mina amanteigada


Quente. A puta quente.





É preciso crescer esta noite inteira sem parar


De crescer e querer


A puta que não sabe


O gosto do desejo do menino


O gosto menino


Que nem o menino


Sabe, e quer saber, querendo a puta.









Te amo puta!

Carlos Drummond de Andrade 
A puta

Quero conhecer a puta.
A puta da cidade. A única.
A fornecedora.
Na rua de Baixo
Onde é proibido passar.
Onde o ar é vidro ardendo
E labaredas torram a língua
De quem disser: Eu quero
A puta
Quero a puta quero a puta.

Ela arreganha dentes largos
De longe. Na mata do cabelo
Se abre toda, chupante
Boca de mina amanteigada
Quente. A puta quente.

É preciso crescer esta noite inteira sem parar
De crescer e querer
A puta que não sabe
O gosto do desejo do menino
O gosto menino
Que nem o menino
Sabe, e quer saber, querendo a puta.



domingo, 21 de abril de 2013

O mundo virtual da Velhinha do Sobrado Azul


A velhinha do sobrado azul anda tendo alucinações as mais escalabrosas. Talvez seja Alzheimer, talvez seja caduquice apenas, ou talvez sejam delírios virtuais. Tudo começou quando a nobre senhora pegou a navegar por redes nunca antes imaginadas.

Monoglota convicta, descobriu ferramentas de tradução simultânea para os mais diversos idiomas. Assim leu textos em inglês, russo, alemão e tudo o mais que achava interessante. Mas como era de se esperar, excesso de informações por excesso de fontes poderia promover uma desordem em sua concepção de mundo.

Afinal o que é real, o que é virtual, o que é aspiração e o que é conspiração em todos os movimentos do planeta? Muitas perguntas e para cada pergunta muitas respostas. Um dia deparou com uma questão que envolvia o velho continente, terra de seus antepassados. Dizia que em alguns países há uma forte crise que está destruindo as benesses sociais aos pobres.

A velhinha chegou a pensar que isto seria algo relacionado ao Princípio Matemático da Inclusão-Exclusão (PIE), que é uma generalização de um dos princípios básico de contagem, o princípio aditivo. Balançou a cabeça - não, não era nada disto! Pensou então na possibilidade de uma forma legal que permitisse a desigualdade, desde que fosse legítima, no sentido de que a norma jurídica pudesse conter fatores de diferenciação que justificassem, de forma racional e legal, sua existência.

Mas achou isto viajado demais. Pensou nas pessoas a vagar pelas ruas, tristes, desempregadas e macambuzias, e achou que algo estava fora do eixo. Não, isto não pode ser verdade, afinal nada foi dito no jornal nacional, então não existe.

É isto mesmo, isto não existe. Este mundo virtual não é real. Real só pode ser o mundo do jornal nacional, por que lá ela via as coisas, ouvia pessoas bonitas de vozes sedutoras. Então é neste sentido que a vida se esvai, na tela da televisão, entre duas novelas - deve ser sempre assim, pensou a velhinha, deve ser assim que é lá fora, e eu aqui acreditando em redes.

É isto aí!

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Lor, Crush e os marcs!





Era uma vez um Planeta, o Planeta Lor. Lá existiam muitos reinos, que viviam pacificamente em completa harmonia. Os mais famosos eram os Marcs, os Crushs e os Líps. Os Marcs habitavam nas montanhas, os Crushs nos vales e os Lips eram povos nômades, aqui, ali, sem lugar definido. E para todos os outros povos, a etnia era a Zaipidig.

Tudo ia bem até que um dia um príncipe de Crush resolveu dominar todo o mundo de Lor, afinal, pensou, alguém tinha que colocar Lor nos eixos, pois toda aquela felicidade era um atraso de vida. E foi assim, na base das Organizações de Convencimento Unilateral do Bem, também conhecido nos guetos, becos e botecos como Ocudobem, que Lor foi predestinada a se tornar coisa e propriedade de Crush.

No reino imperial de Crush tudo passou a ser possível para os crushs. Desde que se inventaram, invadiram dezenas de outros reinos, reduziram ou permitiram reduzir milhares e milhares de marcs, lips e zaipidigs.


Os marcs, que podem ser de várias matizes são responsáveis pela genealogia da ancestralidade crush, o que não impediu a dizimação da qualidade e quantidade de vidas das suas etnias, como a dos marcs creps. que jamais se envolveram em conflitos e nem os marcs trolls, que são ogros paleolíticos.


Bem, não é fácil falar de um crush, sem ter medo de falar de um crush. Tudo para eles é deles, e quando se diz tudo em Lor, estamos falando dos crushs. A água, a terra e o ar do planeta foi todo patenteado e registrado como coisa e propriedade crush. Os crushs odeiam e desconhecem a todos que não são crushs.


Consegui com um viajante interplanetário um decálogo do mundo em Lor:


1 - Todos em Lor tem direito à liberdade, desde que se submetam à Democracia Crush.
2 - Todos em Lor tem direito à saúde, desde que se submetam ao Modelo Crush.
3 - Todos em Lor tem direito a eleger os seus representantes, desde que aprovados por Crush.
4 - Todos em Lor tem direito à um sistema político partidário múltiplo, desde que atrelados a Crush.
5 - Todos em Lor tem direito a um exército, desde que subordinado e desarmado por Crush.
6 - Todos em Lor tem direito à alimentação, desde que beneficiada pelos Crushs.
7 - Todos em Lor tem direito aos medicamentos, patenteados por Crush.
8 - Todos em Lor tem direito a um vestuário digno, confeccionado em Crush.
9 - Todos em Lor podem ter todos os eletrodomésticos, criados por Crush.
10 - Todos em Lor devem visitar Crush pelo menos uma vez na vida.


Mas apesar de toda esta organização hierárquica e asséptica, este viajante espacial disse que em Lor não há mais felicidade nem momentos felizes, nem pessoas alegres, nem risos soltos, nada. Nada há que Crush não determine. Deve ser dura a vida em Lor, já que a democracia Crush é muito estranha.


É isto aí!








Lor, Crush e os marcs!




Era uma vez um Planeta, o Planeta Lor. Lá existiam muitos reinos, que viviam pacificamente em completa harmonia. Os mais famosos eram os Marcs, os Crushs e os Líps. Os Marcs habitavam nas montanhas, os Crushs nos vales e os Lips eram povos nômades, aqui, ali, sem lugar definido. E para todos os outros povos, a etnia era a Zaipidig.

Tudo ia bem até que um dia um príncipe de Crush resolveu dominar todo o mundo de Lor, afinal, pensou, alguém tinha que colocar Lor nos eixos, pois toda aquela felicidade era um atraso de vida. E foi assim, na base das Organizações de Convencimento Unilateral do Bem, também conhecido nos guetos, becos e botecos como Ocudobem, que Lor foi predestinada a se tornar coisa e propriedade de Crush.

No reino imperial de Crush tudo passou a ser possível para os crushs. Desde que se inventaram, invadiram dezenas de outros reinos, reduziram ou permitiram reduzir milhares e milhares de marcs, lips e zaipidigs.

Os marcs, que podem ser de várias matizes são responsáveis pela genealogia da ancestralidade crush, o que não impediu a dizimação da qualidade e quantidade de vidas das suas etnias, como a dos marcs creps. que jamais se envolveram em conflitos e nem os marcs trolls, que são ogros paleolíticos.

Bem, não é fácil falar de um crush, sem ter medo de falar de um crush. Tudo para eles é deles, e quando se diz tudo em Lor, estamos falando dos crushs. A água, a terra e o ar do planeta foi todo patenteado e registrado como coisa e propriedade crush. Os crushs odeiam e desconhecem a todos que não são crushs.

Consegui com um viajante interplanetário um decálogo do mundo em Lor:

1 - Todos em Lor tem direito à liberdade, desde que se submetam à Democracia Crush.
2 - Todos em Lor tem direito à saúde, desde que se submetam ao Modelo Crush.
3 - Todos em Lor tem direito a eleger os seus representantes, desde que aprovados por Crush.
4 - Todos em Lor tem direito à um sistema político partidário múltiplo, desde que atrelados a Crush.
5 - Todos em Lor tem direito a um exército, desde que subordinado e desarmado por Crush.
6 - Todos em Lor tem direito à alimentação, desde que beneficiada pelos Crushs.
7 - Todos em Lor tem direito aos medicamentos, patenteados por Crush.
8 - Todos em Lor tem direito a um vestuário digno, confeccionado em Crush.
9 - Todos em Lor podem ter todos os eletrodomésticos, criados por Crush.
10 - Todos em Lor devem visitar Crush pelo menos uma vez na vida.

Mas apesar de toda esta organização hierárquica e asséptica, este viajante espacial disse que em Lor não há mais felicidade nem momentos felizes, nem pessoas alegres, nem risos soltos, nada. Nada há que Crush não determine. Deve ser dura a vida em Lor, já que a democracia Crush é muito estranha.

É isto aí!




Aqui e ali.



Você já se deu conta de que não estamos dando conta de nada? Terremotos aqui e ali, carros e coisas que de forma abrupta deslocam o ar em ondas de alta concentração energética (falando assim desta forma não desperto o dragão) aqui e ali, meteoros que incendeiam e iluminam os céus aqui e ali, conflitos localizados de interesses dispersos aqui e ali.



Acidentes dos mais variados tipos, com os mais variados meios de transportes, aqui e ali. Pessoas diversas de diversas localidades abandonando entes queridos e nem tanto assim, de forma abrupta, aqui e ali.



Bem, voltamos ao blog. Muitas novidades para contar, mas vamos devagar.




Aqui e ali.


Você já se deu conta de que não estamos dando conta de nada? Terremotos aqui e ali, carros e coisas que de forma abrupta deslocam o ar em ondas de alta concentração energética (falando assim desta forma não desperto o dragão) aqui e ali, meteoros que incendeiam e iluminam os céus aqui e ali, conflitos localizados de interesses dispersos aqui e ali.

Acidentes dos mais variados tipos, com os mais variados meios de transportes, aqui e ali. Pessoas diversas de diversas localidades abandonando entes queridos e nem tanto assim, de forma abrupta, aqui e ali.

Bem, voltamos ao blog. Muitas novidades para contar, mas vamos devagar.


quarta-feira, 10 de abril de 2013

Bitcoin - A Moeda Virtual Mundial


Já está nos corredores da rede mundial uma moeda - Bitcoin - sendo manipulada para substituir o Dólar. Supõe-se que deverá ser o dinheiro corrente do poder mundial. Não seria controlada por um governo, mas por um sistema global. Só poderão manipular este modelo econômico pessoas com acesso à rede.


Fonte do texto abaixo: http://www.afp.com/pt/home/






PARIS - A compra de uma pizza pode marcar a história das
finanças. Em maio de 2010, um programador chamado Laszlo pediu, em um fórum na
internet, que alguém entregasse esse produto em troca de 10.000 bitcoins, uma
moeda virtual experimental lançada em 2009 e cuja vertiginosa ascensão pode ser
motivada pelo desejo de investidores russos e cipriotas de colocar seu dinheiro
a salvo.





"Sem anchovas nem outros acréscimos
extravagantes", indicava o pedido de Laszlo. Na cotação da época, seu
pedido equivalia a 41 dólares. Hoje, essa pizza custaria 1,4 milhão de de
dólares.





Na sexta-feira passada, esta moeda cibernética era cotada em
torno dos 135 dólares - depois de roçar os 147 dólares no início da semana. É
um aumento exponencial se levarmos em conta que, em fevereiro, o bitcoin podia
ser negociado a 20 dólares.





Alguns analistas afirmam que a assombrosa valorização desta
moeda, ainda pouco conhecida, pode ter sido causada pelo desejo de investidores
russos e cipriotas de salvar seus euros quando a crise financeira eclodiu no
Chipre.





Outros expressam suas preocupações diante do que consideram
o nascimento de uma nova bolha financeira, que logo poderá ter o mesmo destino
do que outras bolhas da internet: explodir de forma fatal.


"É algo totalmente irracional", afirmou à AFP
Yannick Naud, gestor de valores da companhia Glendevon King Asset Management,
com sede em Londres. Cada vez mais clientes perguntam sobre os bitcoins, mas,
segundo ele, é impossível atribuir um valor racional a esta moeda.





O bitcoin foi concebido em 2009 por causa da crise
financeira mundial. Seu criador, um programador conhecido pelo pseudônimo de
Satoshi Nakamoto, queria uma moeda que não dependesse de nenhum banco central
ou instituição financeira.





Esta moeda eletrônica, criada a partir de complexos códigos
informáticos gerados automaticamente por computadores ou dispositivos móveis,
pode ser criada - em teoria - por qualquer usuário.





Mas a quantidade de bitcoins em circulação não pode
ultrapassar os 21 milhões. Uma vez criados, os bitcoins são armazenados no disco rígido
do computador do usuário e podem ser então intercambiados com terceiros.







No entanto, existem riscos. Em junho de 2011, harckers
esvaziaram as "carteiras virtuais" de pessoas que possuíam esta
moeda. Apesar disso, várias empresas e pequenos negócios aceitam
bitcoins como meio de pagamento para serviços de todos os tipos e esta moeda
está no centro das conversações na web.







Um americano afirma ter vendido seu Porsche por 300 bitcoins
e um canadense colocou sua casa à venda nesta mesma moeda.





Robert Walker, um designer digital de Londres, afirma ter
comprado cerca de 200 bitcoins desde o final de 2011, seduzido pela natureza
descentralizada desta moeda, que não depende da confiança de nenhum emissor
central. O investimento de Walker chega a 900 dólares, mas, no curso
atual do bitcoin, poderá se valorizar para chegar a 27.000 dólares.







"No momento, não é um valor que mudaria minha vida, mas
poderá mudá-la dentro de uns cinco anos", afirma Walker. Para Yannick Naud, no entanto, o valor desta moeda virtual
está alcançando níveis insustentáveis.

Bitcoin - A Moeda Virtual Mundial


Já está nos corredores da rede mundial uma moeda - Bitcoin - sendo manipulada para substituir o Dólar. Supõe-se que deverá ser o dinheiro corrente do poder mundial. Não seria controlada por um governo, mas por um sistema global. Só poderão manipular este modelo econômico pessoas com acesso à rede.

Fonte do texto abaixo: http://www.afp.com/pt/home/


PARIS - A compra de uma pizza pode marcar a história das finanças. Em maio de 2010, um programador chamado Laszlo pediu, em um fórum na internet, que alguém entregasse esse produto em troca de 10.000 bitcoins, uma moeda virtual experimental lançada em 2009 e cuja vertiginosa ascensão pode ser motivada pelo desejo de investidores russos e cipriotas de colocar seu dinheiro a salvo.

"Sem anchovas nem outros acréscimos extravagantes", indicava o pedido de Laszlo. Na cotação da época, seu pedido equivalia a 41 dólares. Hoje, essa pizza custaria 1,4 milhão de de dólares.

Na sexta-feira passada, esta moeda cibernética era cotada em torno dos 135 dólares - depois de roçar os 147 dólares no início da semana. É um aumento exponencial se levarmos em conta que, em fevereiro, o bitcoin podia ser negociado a 20 dólares.

Alguns analistas afirmam que a assombrosa valorização desta moeda, ainda pouco conhecida, pode ter sido causada pelo desejo de investidores russos e cipriotas de salvar seus euros quando a crise financeira eclodiu no Chipre.

Outros expressam suas preocupações diante do que consideram o nascimento de uma nova bolha financeira, que logo poderá ter o mesmo destino do que outras bolhas da internet: explodir de forma fatal.
"É algo totalmente irracional", afirmou à AFP Yannick Naud, gestor de valores da companhia Glendevon King Asset Management, com sede em Londres. Cada vez mais clientes perguntam sobre os bitcoins, mas, segundo ele, é impossível atribuir um valor racional a esta moeda.

O bitcoin foi concebido em 2009 por causa da crise financeira mundial. Seu criador, um programador conhecido pelo pseudônimo de Satoshi Nakamoto, queria uma moeda que não dependesse de nenhum banco central ou instituição financeira.

Esta moeda eletrônica, criada a partir de complexos códigos informáticos gerados automaticamente por computadores ou dispositivos móveis, pode ser criada - em teoria - por qualquer usuário.

Mas a quantidade de bitcoins em circulação não pode ultrapassar os 21 milhões. Uma vez criados, os bitcoins são armazenados no disco rígido do computador do usuário e podem ser então intercambiados com terceiros.

No entanto, existem riscos. Em junho de 2011, harckers esvaziaram as "carteiras virtuais" de pessoas que possuíam esta moeda. Apesar disso, várias empresas e pequenos negócios aceitam bitcoins como meio de pagamento para serviços de todos os tipos e esta moeda está no centro das conversações na web.

Um americano afirma ter vendido seu Porsche por 300 bitcoins e um canadense colocou sua casa à venda nesta mesma moeda.

Robert Walker, um designer digital de Londres, afirma ter comprado cerca de 200 bitcoins desde o final de 2011, seduzido pela natureza descentralizada desta moeda, que não depende da confiança de nenhum emissor central. O investimento de Walker chega a 900 dólares, mas, no curso atual do bitcoin, poderá se valorizar para chegar a 27.000 dólares.

"No momento, não é um valor que mudaria minha vida, mas poderá mudá-la dentro de uns cinco anos", afirma Walker. Para Yannick Naud, no entanto, o valor desta moeda virtual está alcançando níveis insustentáveis.

terça-feira, 9 de abril de 2013

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Margaret já foi tarde!

Hoje o inferno está em festa com a chegada da Margaret Thatcher, pessoa que mais caçou, desempregou e destruiu a classe operária no mundo, sem precedentes. Seu mal se espalhou por todo o planeta, atingindo em cheio a pátria tupynambá, onde empresas estatais foram doadas a banqueiros e bilionários para controle do mundo.

Ela veio na frente, a dama de ferro, abrindo alas, limpando os trilhos e prejudicando milhões de seres humanos para o deleite de uma nobreza falida. A colheita da sua plantação está aí, com desemprego, crises e tensões. Para mim uma completa malvada, na sua mais fina quintessência.

A falácia dos seus seguidores em solo pátrio sempre recai sobre a telefonia - quanto benefício se fez com a sua política de destruição de uma nação. Hoje pagamos preço de Marte por um serviço de merda. Nossa, fico puto só em saber que esta desgraça demorou para morrer.

Se privatizar era a solução, e se estavam dando de graça para as hienas, por que FHC, tão bonzinho, não entregou as grandes empresas para os trabalhadores que fizeram esta riqueza? Malditos sejam todos.

Em todo o velho continente, principalmente em sua terra natal, as pessoas foram às ruas comemorar sua entrada para o portal do diabo. Triste é saber que esta vaca foi apenas um instrumento dos invisíveis dominadores, reais portadores da maldade humana, mas seus dias também estão contados.

É isto aí!


domingo, 7 de abril de 2013

A Dança de São Guido











Conhecida e documentada desde o século III dC, a dança macabra, no Extremo Oriente, era parte de
uma cerimônia mórbida em que, no quarto de um moribundo, o dançarino executava
uma dança em desarmonia com o corpo, composta de movimentos convulsivos e
espasmódicos, até começar a babar e perder a consciência.





Com a chegada da navegação ocidental no século XV, e com a troca de tecnologia e conhecimentos variados, como a medicina, logo os ocidentais ligaram aquela dança aos espasmos. No século XVII, o médico britânico Sydeham denominou os espasmos provocados pela agravação da Febre Reumática como Coréia. A história tratou de incluir Sydeman ao nome da enfermidade, ficando então Coreia de Sydeman. 





Bem, até o século XIX, acreditava-se que uma outra manifestação clínica, conhecida como Dança de São Guido, era a mesma Coreia de Sydeman, até que cientistas mais antenados perceberam que a Dança de São Guido era uma manifestação de fungos alucinógenos que contaminavam os centeios utilizados para fazer os pães.





Desta forma a Dança de São Guido é uma falsa Coréia.



Neste domingo já primavera e ainda inverno no Hemisfério Norte, o presidente chinês, Xi Jinping, discursando num evento na
ilha de Hainan, disse que nenhum país
"deve ter permissão para jogar uma região e mesmo o mundo inteiro no caos
para ganho próprio".





A enigmática frase logo foi traduzida pelos analistas precipitados como uma alusão à Coréia do Norte. Mas este blogueiro, com limitadas compreensões do mundo, vasto mundo, não se chama raimundo, não faz rima e nem vê solução para decifrar este embate. (Valei-me Drummond!)





Bem, é claro que Kim será demonizado de todas as formas, até que a choldra ocidental se certifique que ele é um perigo, tal qual Sadam Hussein, Kadaffi e outros tantos. Mas ocorre que isto não está ocorrendo. Talvez pela distância, ou então por que isto não cola mais.





A imprensa apache&sioux tem alertado para o tamanho do exército de Kim - o maior do mundo - dizem. Era esta a mesma frase sobre o Iraque. Aí fica difícil acreditar. Neste momento, pelo menos uns três submarinos SSGN, cada um com 24 mísseis Trident, segundo a G1, estão na área do conflito.





Apenas um míssil Trident custa 30 milhões de dólares, tem inteligência artificial e alto poder nuclear de destruição. E a Coréia do Norte tem armamentos da década de 60 e 70, segundo o site português http://www.publico.pt/multimedia/infografia/o-poder-militar-da-coreia-do-norte-53 .





E vamos que vamos! É isto aí!   

A Dança de São Guido



Conhecida e documentada desde o século III dC, a dança macabra, no Extremo Oriente, era parte de uma cerimônia mórbida em que, no quarto de um moribundo, o dançarino executava uma dança em desarmonia com o corpo, composta de movimentos convulsivos e espasmódicos, até começar a babar e perder a consciência.

Com a chegada da navegação ocidental no século XV, e com a troca de tecnologia e conhecimentos variados, como a medicina, logo os ocidentais ligaram aquela dança aos espasmos. No século XVII, o médico britânico Sydeham denominou os espasmos provocados pela agravação da Febre Reumática como Coréia. A história tratou de incluir Sydeman ao nome da enfermidade, ficando então Coreia de Sydeman. 

Bem, até o século XIX, acreditava-se que uma outra manifestação clínica, conhecida como Dança de São Guido, era a mesma Coreia de Sydeman, até que cientistas mais antenados perceberam que a Dança de São Guido era uma manifestação de fungos alucinógenos que contaminavam os centeios utilizados para fazer os pães.

Desta forma a Dança de São Guido é uma falsa Coréia.

Neste domingo já primavera e ainda inverno no Hemisfério Norte, o presidente chinês, Xi Jinping, discursando num evento na ilha de Hainan, disse que nenhum país "deve ter permissão para jogar uma região e mesmo o mundo inteiro no caos para ganho próprio".

A enigmática frase logo foi traduzida pelos analistas precipitados como uma alusão à Coréia do Norte. Mas este blogueiro, com limitadas compreensões do mundo, vasto mundo, não se chama raimundo, não faz rima e nem vê solução para decifrar este embate. (Valei-me Drummond!)

Bem, é claro que Kim será demonizado de todas as formas, até que a choldra ocidental se certifique que ele é um perigo, tal qual Sadam Hussein, Kadaffi e outros tantos. Mas ocorre que isto não está ocorrendo. Talvez pela distância, ou então por que isto não cola mais.

A imprensa apache&sioux tem alertado para o tamanho do exército de Kim - o maior do mundo - dizem. Era esta a mesma frase sobre o Iraque. Aí fica difícil acreditar. Neste momento, pelo menos uns três submarinos SSGN, cada um com 24 mísseis Trident, segundo a G1, estão na área do conflito.

Apenas um míssil Trident custa 30 milhões de dólares, tem inteligência artificial e alto poder nuclear de destruição. E a Coréia do Norte tem armamentos da década de 60 e 70, segundo o site português http://www.publico.pt/multimedia/infografia/o-poder-militar-da-coreia-do-norte-53 .

E vamos que vamos! É isto aí!   

sábado, 6 de abril de 2013

A Coréia de Kim





Esta é a semana decisiva para a Coréia do Norte - Ou dá ou para de fazer c* doce. Ninguém aguenta mais esta especulação entediante. Se você procurar nas fotos de exercícios de guerra dos bravos soldados, perceberá que a grotesca duplicação de imagens é patente. Se querem ganhar a guerra, não será por aí.



Exercícios para entender a Coréia do Norte ameaçando alguém:



1 - Só está blefando. Neste caso a crise interna engole o Kim Jung Un, ou Cai Kim, como ficará conhecido.



2 - Não está blefando e está sozinho. Aí pode internar o Kim, que ficará conhecido como Kim Doidin.



3 - Não está blefando e tem o apoio da China. Opa, apoio é sempre algo que tende a uma ação maior. Kim Solindo a Toa passará para a história.



4 - Não está blefando, tem o apoio e armas da China. Epa, começou a encrenca. Kim Foi Fundo!



5 - Não está blefando, tem o apoio e armas da China e apoio da Rússia. Aí passará para a história como Kim Fudeu Tudo...



É isto aí!

A Coréia de Kim


Esta é a semana decisiva para a Coréia do Norte - Ou dá ou para de fazer c* doce. Ninguém aguenta mais esta especulação entediante. Se você procurar nas fotos de exercícios de guerra dos bravos soldados, perceberá que a grotesca duplicação de imagens é patente. Se querem ganhar a guerra, não será por aí.

Exercícios para entender a Coréia do Norte ameaçando alguém:

1 - Só está blefando. Neste caso a crise interna engole o Kim Jung Un, ou Cai Kim, como ficará conhecido.

2 - Não está blefando e está sozinho. Aí pode internar o Kim, que ficará conhecido como Kim Doidin.

3 - Não está blefando e tem o apoio da China. Opa, apoio é sempre algo que tende a uma ação maior. Kim Solindo a Toa passará para a história.

4 - Não está blefando, tem o apoio e armas da China. Epa, começou a encrenca. Kim Foi Fundo!

5 - Não está blefando, tem o apoio e armas da China e apoio da Rússia. Aí passará para a história como Kim Fudeu Tudo...

É isto aí!

sexta-feira, 5 de abril de 2013

Cebola australiana – passo a passo

 FONTE:   Cebola australiana – passo a passo




Atenção -  a imagem acima é apenas ilustrativa - 

Essa cebola faz muito sucesso. A receita é do chef Erasmo Santana Santos, do Australiano Bar, em Santos. Lá, eles usam o produto importado dos Estados Unidos, mas é possível fazer com a cebola nacional — basta comprar uma bem grande. Siga os passos e chegue ao paraíso, com essa cebola temperada e frita. Veja o passo a passo


Cebola Australiana

Chef Erasmo Santana Santos



Ingredientes

1 cebola grande (a maior que encontrar)

1 litro de leite

2 ovos

500g de farinha de rosca

2 colheres de sobremesa de sal

2 colheres de sobremesa de pimenta caiena

2  colheres de sobremesa de pimenta do reino

2 colheres de sobremesa de tomilho

Preparo

Pegue a maior cebola que encontrar. Corte fora o lado oposto ao da raiz (passo 1) em algum ponto entre a metade e 3/4 da cebola (quanto mais perto da metade, mais fácil fica). Descasque a cebola e corte fora a raiz, bem rente (passo 2).

Com uma faca grande, faça cortes perpendiculares, como numa pizza (passo 3), mas ao invés de 8 pedaços, faça no mínimo 16 e idealmente 32 cortes. Tome cuidado para não atravessar a cebola, parando estes cortes cerca de 2 cm antes de chegar a base.

Para deixá-la em forma de flor solte os gomos da cebola (passo 4), abrindo-a (deixar por duas horas na geladeira pode ajudar nesse processo).

Misture a farinha com o sal, as pimentas e o tomilho. Empane a cebola jogando esta farinha temperada em bastante quantidade para entrar entre os gomos da cebola (passo 5). Retire o excesso.

Mergulhe com o topo para baixo na mistura do leite e ovos (passo 6) e novamente acrescente farinha e retire o excesso (passo 7). Está pronta para fritar.

Em uma panela coloque óleo suficiente para submergir a cebola. Leve ao fogo alto. Com a ajuda de uma espumadeira, coloque a cebola com o topo para baixo e deixe fritar por 2 minutos. Gire-a e deixe fritar mais dois minutos, gire-a de novo e deixe mais 2 minutos.

Retire-a. Seque-a com papel toalha (passo 8), e coloque no prato.

Prenda o centro com um garfo e, com uma faca afiada, retire o miolo (passo 9).

Para terminar (passo 10), coloque no centro um potinho com seu molho preferido (molho rosé, maionese de alho ou ervas finas, por exemplo).




Parravicini e o Papa II



O texto da profecia de Parravicini é enigmático. Em meio ao
que parece a imagem de um homem morto e deitado, com o mundo sobre ele, aparece
a imagem de uma faca e de um cobra segura por uma mão indo a sua direção, dando
a idéia de tentativas de assassinato, inclusive por envenenamento.





O texto diz: “Roma” como título e abaixo “Será o mártir da
maravilhosa cidade e o...” para que em seguida apareça a letra “B” seguida pela
letra “e” dando início a uma palavra que se forma; “Luz”. Abaixo dessa frase um
desenho indecifrável.





Aparecem no desenho ainda duas serpentes, uma sobre o mundo
com o nome “Israel” e a frase “Israel regressa” e logo abaixo, no canto
direito, o que parece ser um homem-serpente vestido com uma roupa sacerdotal
(desenho no topo da sua cabeça) que tem escrito dentro dele “Sion sera Sion”
dando idéia do sibilar e do triplo “s” como uma referência velada ao 666.





A profecia fala de um mártir em Roma, alguém iluminado, pois
termina a frase do nome dessa pessoa com o termo “luz”, mas cita apenas as duas
primeiras letras “Be”. Sabemos que o sobrenome do atual papa começa exatamente
com essas letras: Bergoglio. A profecia ao que indica fala de sua morte, talvez
em uma viagem a Jerusalém, difícil saber, mas ao que parece será em meio a um
intenso conflito entre judeus e palestinos, pois faz uma referência velada ao
sionismo (Sion será Sion). De qualquer forma, confirmando a profecia de
Paracelso, Parravicini dá a entender que o papa sofrerá um atentado que causará
a sua morte.








Fonte:
http://profeciasoapiceem2036.blogspot.com/#ixzz2PdSqkov7




Parravicini e o Papa II


O texto da profecia de Parravicini é enigmático. Em meio ao que parece a imagem de um homem morto e deitado, com o mundo sobre ele, aparece a imagem de uma faca e de um cobra segura por uma mão indo a sua direção, dando a idéia de tentativas de assassinato, inclusive por envenenamento.

O texto diz: “Roma” como título e abaixo “Será o mártir da maravilhosa cidade e o...” para que em seguida apareça a letra “B” seguida pela letra “e” dando início a uma palavra que se forma; “Luz”. Abaixo dessa frase um desenho indecifrável.

Aparecem no desenho ainda duas serpentes, uma sobre o mundo com o nome “Israel” e a frase “Israel regressa” e logo abaixo, no canto direito, o que parece ser um homem-serpente vestido com uma roupa sacerdotal (desenho no topo da sua cabeça) que tem escrito dentro dele “Sion sera Sion” dando idéia do sibilar e do triplo “s” como uma referência velada ao 666.

A profecia fala de um mártir em Roma, alguém iluminado, pois termina a frase do nome dessa pessoa com o termo “luz”, mas cita apenas as duas primeiras letras “Be”. Sabemos que o sobrenome do atual papa começa exatamente com essas letras: Bergoglio. A profecia ao que indica fala de sua morte, talvez em uma viagem a Jerusalém, difícil saber, mas ao que parece será em meio a um intenso conflito entre judeus e palestinos, pois faz uma referência velada ao sionismo (Sion será Sion). De qualquer forma, confirmando a profecia de Paracelso, Parravicini dá a entender que o papa sofrerá um atentado que causará a sua morte.


Fonte: http://profeciasoapiceem2036.blogspot.com/#ixzz2PdSqkov7


quinta-feira, 4 de abril de 2013

O que virá depois?













Observações e percepções: 









Estou visivelmente postando menos, talvez por que eu desanimei ou por que só tem especulação e nada acontece. Tudo bem, há uma tensão asiática, a Europa faliu, a violência avança sem precedentes no continente americano, de norte ao sul, as drogas são mecanismos banais e instrumentalização de monitoramento, mas nada acontece. Nem o Nibiru veio, talvez nunca tenha existido.









O mundo deve 300% do PIB mundial e no entanto o
colapso econômico não aconteceu - como assim?! A economia baseada em créditos é uma grande pirâmide financeira oficial. Tudo pode, tudo lhe é permitido, e dela partem as determinações do César - polegares acima ou abaixo são determinantes para a choldra.  









Muita coisa não faz sentido! Hugo Chávez, teve
morte cerebral em dezembro, segundo o ex-embaixador do Panamá, e só morreu oficialmente 60 dias depois; Evo Moralez surge com uma misteriosa enfermidade, o Papa é um Jesuíta, a Coréia do Norte surtou com o Gangnam Style, o Atlético Mineiro está vencendo jogos sucessivos, enfim, está tudo muito estranho! 









Será que só resta postar sobre os Chemtrails? Você nunca ouviu falar disto - não é mesmo? É mais uma paranoia escatológica. Os Chemtrails estão na mesma órbita do Nêmesis, dos ETs, dos Ufos e de todos os elementais que fizeram a nossa infância mais assustadora.









O capitalismo, mecanismo supostamente atrelado è democracia, já deveria ter acabado? Qual seria a nova corrente econômica? Alvin Toffler afirma em um dos seus aforismos - "Ou você tem uma estratégia ou é parte da estratégia de alguém". Qual seria esta nova estratégia?  











Concluo repassando aqui as palavras do sábio consultor de economia britânico Geoff Mulgan: 









"O resultado é que um grande espaço político está se abrindo.
No curto prazo, está sendo preenchido com medo, raiva e confusão. A mais longo
prazo, pode ser preenchido com uma nova visão do capitalismo, e sua relação com
a sociedade e ecologia, uma visão que vai ser mais clara sobre o que queremos para crescer e o que não fazer. 









Democracias no passado repetidamente domaram, guiaram e reviveram o capitalismo. Elas impediram a venda de pessoas, de votos, repartições
públicas, o trabalho infantil e os órgãos do corpo, e elas têm forçado os
direitos e regras, ao mesmo tempo, despejando recursos para atender à necessidade do capitalismo para a ciência e habilidades, e foi para fora desta
mistura de conflito e cooperação que o mundo alcançou o extraordinário
progresso do século passado.











Para descobrir o que vem a seguir, talvez devêssemos olhar
para cima. Horizontes fornecem o teste mais simples do que uma sociedade de
valores, e onde seus excedentes são controladas. Alguns séculos atrás, os
maiores edifícios em cidades do mundo foram fortes, igrejas e templos, e depois
de um tempo eles se tornaram palácios. Posteriormente, no século XIX,  edifícios civis, estações ferroviárias e museus os sucederam. E então, no final do século XX em todos os lugares que eles existiram, estavam os bancos. Poucos acreditam que eles existirão por muito tempo. Mas o que virá depois? Palácios próximos a áreas de lazer e grandes estádios
esportivos, universidades e galerias de arte; torres de água e jardins
suspensos, ou talvez impérios de biotecnologia? Precisamos reacender a nossa
capacidade de imaginar, e ver através da tempestade ainda encontro com o que
está além." 









É isto aí!





O que virá depois?




Observações e percepções: 

Estou visivelmente postando menos, talvez por que eu desanimei ou por que só tem especulação e nada acontece. Tudo bem, há uma tensão asiática, a Europa faliu, a violência avança sem precedentes no continente americano, de norte ao sul, as drogas são mecanismos banais e instrumentalização de monitoramento, mas nada acontece. Nem o Nibiru veio, talvez nunca tenha existido.

O mundo deve 300% do PIB mundial e no entanto o colapso econômico não aconteceu - como assim?! A economia baseada em créditos é uma grande pirâmide financeira oficial. Tudo pode, tudo lhe é permitido, e dela partem as determinações do César - polegares acima ou abaixo são determinantes para a choldra.  

Muita coisa não faz sentido! Hugo Chávez, teve morte cerebral em dezembro, segundo o ex-embaixador do Panamá, e só morreu oficialmente 60 dias depois; Evo Moralez surge com uma misteriosa enfermidade, o Papa é um Jesuíta, a Coréia do Norte surtou com o Gangnam Style, o Atlético Mineiro está vencendo jogos sucessivos, enfim, está tudo muito estranho! 

Será que só resta postar sobre os Chemtrails? Você nunca ouviu falar disto - não é mesmo? É mais uma paranoia escatológica. Os Chemtrails estão na mesma órbita do Nêmesis, dos ETs, dos Ufos e de todos os elementais que fizeram a nossa infância mais assustadora.

O capitalismo, mecanismo supostamente atrelado è democracia, já deveria ter acabado? Qual seria a nova corrente econômica? Alvin Toffler afirma em um dos seus aforismos - "Ou você tem uma estratégia ou é parte da estratégia de alguém". Qual seria esta nova estratégia?  

Concluo repassando aqui as palavras do sábio consultor de economia britânico Geoff Mulgan: 

"O resultado é que um grande espaço político está se abrindo. No curto prazo, está sendo preenchido com medo, raiva e confusão. A mais longo prazo, pode ser preenchido com uma nova visão do capitalismo, e sua relação com a sociedade e ecologia, uma visão que vai ser mais clara sobre o que queremos para crescer e o que não fazer. 

Democracias no passado repetidamente domaram, guiaram e reviveram o capitalismo. Elas impediram a venda de pessoas, de votos, repartições públicas, o trabalho infantil e os órgãos do corpo, e elas têm forçado os direitos e regras, ao mesmo tempo, despejando recursos para atender à necessidade do capitalismo para a ciência e habilidades, e foi para fora desta mistura de conflito e cooperação que o mundo alcançou o extraordinário progresso do século passado.

Para descobrir o que vem a seguir, talvez devêssemos olhar para cima. Horizontes fornecem o teste mais simples do que uma sociedade de valores, e onde seus excedentes são controladas. Alguns séculos atrás, os maiores edifícios em cidades do mundo foram fortes, igrejas e templos, e depois de um tempo eles se tornaram palácios. Posteriormente, no século XIX,  edifícios civis, estações ferroviárias e museus os sucederam. E então, no final do século XX em todos os lugares que eles existiram, estavam os bancos. Poucos acreditam que eles existirão por muito tempo. Mas o que virá depois? Palácios próximos a áreas de lazer e grandes estádios esportivos, universidades e galerias de arte; torres de água e jardins suspensos, ou talvez impérios de biotecnologia? Precisamos reacender a nossa capacidade de imaginar, e ver através da tempestade ainda encontro com o que está além." 

É isto aí!

quarta-feira, 3 de abril de 2013

Lavar carros







Andei fazendo vários ensaios para lavar o carro. Afinal isto deveria ser uma rotina. O que tem de mais em lavar o seu carro? Imagina, tudo ali, sem nenhum problema. Pegar e lavar.



Pois bem, o rapaz chamou à porta. Era o responsável pela lavagem do veículo. Ao seu lado estava seu sócio. Seguiu-se o diálogo:



- Doutor, vai lavar hoje?

- Agora tenho que sair, mas quanto está custando?

- Mixaria, doutor, mixaria.

- Mixaria quanto?

- Vixe, vejo que hoje o senhor está de marcação.

- Quanto?

- trintinha, doutor e jogo rápido...

- Rápido mesmo?

- Rapidinho, é porque temos cumprir a cota de 15 carros por dia, então não tem enrolo.

- Não pode ser sábado?

- Seguinte doutor - sábado é a pelada com a turma, daí não tem jeito, é sagrada.

- Tudo bem, eu espero.

- 30 minutos e pronto - carro cheiroso e limpo.



Bem, resolvi lavar o carro e fui fazer as contas. 30 reais x 15 carros/dia dá 450 reais por dia. São 53 sábados mais 53 domingos/ano no máximo. Humm, deixa ver...365 - 106 = 259 dias.



259 dias, tira aí uns 90 dias- chuva, passou mal, férias, viagem com a família, etc. - 169 dias, arredondando para 170 dias a 450 reais. Isto dá 76.500 reais/ano, dividido por 12 meses...vejamos...6.375 reais/mês, dividido por dois, arredondando - 3.200/mês.



3.200/mês sem imposto, sem encargos, sem contador, sem nota fiscal, sem fiscal do trabalho, sem nada. Sem aluguel, sem custo de material principal - água. Ainda ganham café, almoço e lanche, dependendo onde estão e assim arrumam os horários para bater com suas necessidades.



De posse destes números, fui lavar o carro. Três horas depois, exausto e limpeza ainda por terminar, comecei a achar que se pedirem 50 reais na próxima, eu pago e esqueço todas as contas que justificaram esta insandice..



É isto aí!

Lavar carros



Andei fazendo vários ensaios para lavar o carro. Afinal isto deveria ser uma rotina. O que tem de mais em lavar o seu carro? Imagina, tudo ali, sem nenhum problema. Pegar e lavar.

Pois bem, o rapaz chamou à porta. Era o responsável pela lavagem do veículo. Ao seu lado estava seu sócio. Seguiu-se o diálogo:

- Doutor, vai lavar hoje?
- Agora tenho que sair, mas quanto está custando?
- Mixaria, doutor, mixaria.
- Mixaria quanto?
- Vixe, vejo que hoje o senhor está de marcação.
- Quanto?
- trintinha, doutor e jogo rápido...
- Rápido mesmo?
- Rapidinho, é porque temos cumprir a cota de 15 carros por dia, então não tem enrolo.
- Não pode ser sábado?
- Seguinte doutor - sábado é a pelada com a turma, daí não tem jeito, é sagrada.
- Tudo bem, eu espero.
- 30 minutos e pronto - carro cheiroso e limpo.

Bem, resolvi lavar o carro e fui fazer as contas. 30 reais x 15 carros/dia dá 450 reais por dia. São 53 sábados mais 53 domingos/ano no máximo. Humm, deixa ver...365 - 106 = 259 dias.

259 dias, tira aí uns 90 dias- chuva, passou mal, férias, viagem com a família, etc. - 169 dias, arredondando para 170 dias a 450 reais. Isto dá 76.500 reais/ano, dividido por 12 meses...vejamos...6.375 reais/mês, dividido por dois, arredondando - 3.200/mês.

3.200/mês sem imposto, sem encargos, sem contador, sem nota fiscal, sem fiscal do trabalho, sem nada. Sem aluguel, sem custo de material principal - água. Ainda ganham café, almoço e lanche, dependendo onde estão e assim arrumam os horários para bater com suas necessidades.

De posse destes números, fui lavar o carro. Três horas depois, exausto e limpeza ainda por terminar, comecei a achar que se pedirem 50 reais na próxima, eu pago e esqueço todas as contas que justificaram esta insandice..

É isto aí!