quarta-feira, 31 de julho de 2013

O estranho desejo do galo




A estranha obsessão dos atleticanos por serem todos os torcedores do Cruzeiro as marias do seu íntimo e secreto desejo, causa-me uma reflexão psicanalítica. Claro que não tenho a bagagem dos grandes mestres, em face da minha formação bageliana, junto ao analista de Bagé, mas arrisco um palpite:

"Enquanto a histérica vai buscar seu desejo no desejo do Outro, isto é, no que ela imagina ser o desejo do Outro, o obsessivo vai buscá-lo em um além, o que faz com que ele faça o seu desejo passar à frente de tudo. Ao buscá-lo além, o que ele visa é o desejo como tal na medida em que ele nega o Outro. Vemos aí claramente a presença da pulsão de morte, como sustentação desse desejo puro. Mas o Outro é o lugar do desejo e, para constituir-se, o desejo do sujeito precisa deste apoio no Outro. A destruição do Outro representa a destruição do próprio desejo e é nisto que esbarra o obsessivo, revelando a profunda contradição entre ele e seu desejo. Na verdade, trata-se de uma contradição que é interna ao próprio desejo, tal como é abordado nesse caso, nesse mais além que o constitui. Disso decorrem as constantes idas e vindas do obsessivo, uma vez que a possibilidade de realização de seu desejo se apresenta como mortal. É desse momento que ele se afasta, na medida em que alcançá-lo significa matar o desejo. Lacan chama a atenção para o fato de que, mais do que uma distância do objeto, trata-se na neurose obsessiva de uma distância do desejo."


Fonte da reflexão: http://www.interseccaopsicanalitica.com.br/art078.htm

O Colchão D'Água



De modo geral, o colchão de água serve para evitar dores nas articulações e nas costas. Seu formato assegura mais alívio para que sofre com problemas de artrite, dor lombar e problemas na coluna vertebral. Mas, seus benefícios vão muito além!

Vantagens do colchão de água
Existem muitas opiniões divergentes sobre as qualidade dos colchões de água, vamos ver algumas vantagens:

O colchão de água é extremamente confortável, pois quem deita nele sente a impressão de estar quase “flutuando”.

Segundo estudos, ele é o único modelo de colchão que permite total apoio do corpo sem pontos de pressão em excesso. Ou seja, não causa dor.

Temperatura agradável, ao gosto do dono, graças ao seu sistema de aquecimento. Perfeito para proporcionar ótimas noites de sono. As crianças vão adorar dormir nesse colchão no quarto infantil!

Como usar um colchão d’água?
O colchão d’água deve ser usado como qualquer outro modelo. Basta encher a peça com água através de uma válvula, de acordo com as indicações do fabricante. Então, é só retirar parte do excesso de ar e fechá-la para vedar e evitar qualquer vazamento.

No campo das desvantagens, o colchão de água pode ser bem difícil de manusear, devido ao peso do líquido e mecanismo. Além disso, alguns especialistas indicam o modelo para usos esporádicos, lúdicos e terapêuticos, ou seja, apenas casos pontuais, não para o cotidiano.

O Colchão D'Água



De modo geral, o colchão de água serve para evitar dores nas articulações e nas costas. Seu formato assegura mais alívio para que sofre com problemas de artrite, dor lombar e problemas na coluna vertebral. Mas, seus benefícios vão muito além!

Vantagens do colchão de água
Existem muitas opiniões divergentes sobre as qualidade dos colchões de água, vamos ver algumas vantagens:

O colchão de água é extremamente confortável, pois quem deita nele sente a impressão de estar quase “flutuando”.

Segundo estudos, ele é o único modelo de colchão que permite total apoio do corpo sem pontos de pressão em excesso. Ou seja, não causa dor.

Temperatura agradável, ao gosto do dono, graças ao seu sistema de aquecimento. Perfeito para proporcionar ótimas noites de sono. As crianças vão adorar dormir nesse colchão no quarto infantil!

Como usar um colchão d’água?
O colchão d’água deve ser usado como qualquer outro modelo. Basta encher a peça com água através de uma válvula, de acordo com as indicações do fabricante. Então, é só retirar parte do excesso de ar e fechá-la para vedar e evitar qualquer vazamento.

No campo das desvantagens, o colchão de água pode ser bem difícil de manusear, devido ao peso do líquido e mecanismo. Além disso, alguns especialistas indicam o modelo para usos esporádicos, lúdicos e terapêuticos, ou seja, apenas casos pontuais, não para o cotidiano.

terça-feira, 30 de julho de 2013

A calçada.




Fico admirado com a quantidade de lacerdinhas sobrevoando a Pitangueira. É impressionante. Não largam da natureza simples e limitada da árvore. Mas, fazer o que? São pragas de jardim!





Mudando de assunto, hoje deparei com uma cena difícil prá muito caramba. Vinha devagar na direção do veículo, em rua movimentada, sem estacionamento à esquerda. Exatamente à minha esquerda vi um senhor, amparado em um par de muletas. Ele também me viu. Estava na calçada. Nossos olhares demoraram uma eternidade, fixados. 





Vi que estava passando mal. Procurei uma forma de estacionar para socorrer aquele homem, mas o tráfego intenso e o grande número de pessoas na calçada indicavam que alguém haveria de fazê-lo, até por que estava a quinze ou vinte metros de um hospital público.





Passei por ele, ambos olhando um nos olhos do outro. Fui resolver uma questão financeira, que durou cinco minutos, logo a dois quarteirões dali. Ao regressar, estava o corpo, já sem vida, na calçada. Puxa vida! Rezei por aquela alma, mas de coração apertado.





Em função disto, hoje estou meio que não querendo falar mais nada.



É isto aí!

A calçada.

Fico admirado com a quantidade de lacerdinhas sobrevoando a Pitangueira. É impressionante. Não largam da natureza simples e limitada da árvore. Mas, fazer o que? São pragas de jardim!

Mudando de assunto, hoje deparei com uma cena difícil prá muito caramba. Vinha devagar na direção do veículo, em rua movimentada, sem estacionamento à esquerda. Exatamente à minha esquerda vi um senhor, amparado em um par de muletas. Ele também me viu. Estava na calçada. Nossos olhares demoraram uma eternidade, fixados. 

Vi que estava passando mal. Procurei uma forma de estacionar para socorrer aquele homem, mas o tráfego intenso e o grande número de pessoas na calçada indicavam que alguém haveria de fazê-lo, até por que estava a quinze ou vinte metros de um hospital público.

Passei por ele, ambos olhando um nos olhos do outro. Fui resolver uma questão financeira, que durou cinco minutos, logo a dois quarteirões dali. Ao regressar, estava o corpo, já sem vida, na calçada. Puxa vida! Rezei por aquela alma, mas de coração apertado.

Em função disto, hoje estou meio que não querendo falar mais nada.

É isto aí!

"De que vale a um homem ganhar o mundo inteiro se perder sua alma?" (Mc 8, 36)



E o Papa esteve no Rio de Janeiro, promovendo uma festa devocional e apostólica entre os membros da Igreja. Foi interessante ver a Igreja Católica em tamanha dimensão, quando na Europa o esvaziamento da Fé é uma realidade dura e cruel. Em todas as igrejas, sem exceção.




Ao contrário da grande e esmagadora maioria, não creio que o nome acatado pelo atual Papa, Francisco, seja uma referência à Francisco de Assis e sim a Francisco Xavier, nascido Francisco de Jaso y
Azpilicueta, (Xavier, 7 de Abril de 1506 — Sanchoão, 3 de Dezembro de 1552), que foi
um missionário cristão do padroado português e apóstolo navarro. 





Ele foi pioneiro e
co-fundador da Companhia de Jesus - à qual está vinculado o Papa, e a Igreja Católica Romana considera que tenha
convertido mais pessoas ao Cristianismo do que qualquer outro missionário desde
São Paulo, merecendo o epíteto de "Apóstolo do Oriente". Ele exerceu
a sua atividade missionária no Oriente, especialmente na Índia e no Japão.





No dia 15 de agosto de 1534, Inácio de Loyola, junto com
Francisco Xavier, Pedro Fabro, Alfonso Salmeron, Diego Laynez, Nicolau
Bobedilla e Simão Rodrigues, fizeram votos de castidade e pobreza na Capela de
Saint-Denis, em Montmartre (Paris), colocando-se a disposição do Papa, para
serem enviados aonde houver maior necessidade, e desse modo estavam fundando,
ainda sem saber, a Companhia de Jesus , congregação religiosa destinada ao
ensino, à conversão e à caridade.





O lema de Francisco Xavier era: "De que vale a um homem ganhar o mundo inteiro se
perder sua alma?" (Mc 8, 36)




"De que vale a um homem ganhar o mundo inteiro se perder sua alma?" (Mc 8, 36)



E o Papa esteve no Rio de Janeiro, promovendo uma festa devocional e apostólica entre os membros da Igreja. Foi interessante ver a Igreja Católica em tamanha dimensão, quando na Europa o esvaziamento da Fé é uma realidade dura e cruel. Em todas as igrejas, sem exceção.

Ao contrário da grande e esmagadora maioria, não creio que o nome acatado pelo atual Papa, Francisco, seja uma referência à Francisco de Assis e sim a Francisco Xavier, nascido Francisco de Jaso y Azpilicueta, (Xavier, 7 de Abril de 1506 — Sanchoão, 3 de Dezembro de 1552), que foi um missionário cristão do padroado português e apóstolo navarro. 

Ele foi pioneiro e co-fundador da Companhia de Jesus - à qual está vinculado o Papa, e a Igreja Católica Romana considera que tenha convertido mais pessoas ao Cristianismo do que qualquer outro missionário desde São Paulo, merecendo o epíteto de "Apóstolo do Oriente". Ele exerceu a sua atividade missionária no Oriente, especialmente na Índia e no Japão.

No dia 15 de agosto de 1534, Inácio de Loyola, junto com Francisco Xavier, Pedro Fabro, Alfonso Salmeron, Diego Laynez, Nicolau Bobedilla e Simão Rodrigues, fizeram votos de castidade e pobreza na Capela de Saint-Denis, em Montmartre (Paris), colocando-se a disposição do Papa, para serem enviados aonde houver maior necessidade, e desse modo estavam fundando, ainda sem saber, a Companhia de Jesus , congregação religiosa destinada ao ensino, à conversão e à caridade.

O lema de Francisco Xavier era: "De que vale a um homem ganhar o mundo inteiro se perder sua alma?" (Mc 8, 36)

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Quer pagar quanto?



Enquanto isto, por aqui, determinado time de futebol modernizou-se tanto, que seus executivos parecem com corretores da Bolsa de Valores:

Estão comprando títulos para agradar seus investidores!

A máquina do mundo


A Máquina do Mundo (Carlos Drummond de Andrade)





  


E como eu palmilhasse vagamente


uma estrada de Minas, pedregosa,


e no fecho da tarde um sino rouco





se misturasse ao som de meus sapatos


que era pausado e seco; e aves pairassem


no céu de chumbo, e suas formas pretas





lentamente se fossem diluindo


na escuridão maior, vinda dos montes


e de meu próprio ser desenganado,





a máquina do mundo se entreabriu


para quem de a romper já se esquivava


e só de o ter pensado se carpia.





Abriu-se majestosa e circunspecta,


sem emitir um som que fosse impuro


nem um clarão maior que o tolerável





pelas pupilas gastas na inspeção


contínua e dolorosa do deserto,


e pela mente exausta de mentar





toda uma realidade que transcende


a própria imagem sua debuxada


no rosto do mistério, nos abismos.





Abriu-se em calma pura, e convidando


quantos sentidos e intuições restavam


a quem de os ter usado os já perdera





e nem desejaria recobrá-los,


se em vão e para sempre repetimos


os mesmos sem roteiro tristes périplos,





convidando-os a todos, em coorte,


a se aplicarem sobre o pasto inédito




da natureza mítica das coisas.

A máquina do mundo

A Máquina do Mundo (Carlos Drummond de Andrade)

  
E como eu palmilhasse vagamente
uma estrada de Minas, pedregosa,
e no fecho da tarde um sino rouco

se misturasse ao som de meus sapatos
que era pausado e seco; e aves pairassem
no céu de chumbo, e suas formas pretas

lentamente se fossem diluindo
na escuridão maior, vinda dos montes
e de meu próprio ser desenganado,

a máquina do mundo se entreabriu
para quem de a romper já se esquivava
e só de o ter pensado se carpia.

Abriu-se majestosa e circunspecta,
sem emitir um som que fosse impuro
nem um clarão maior que o tolerável

pelas pupilas gastas na inspeção
contínua e dolorosa do deserto,
e pela mente exausta de mentar

toda uma realidade que transcende
a própria imagem sua debuxada
no rosto do mistério, nos abismos.

Abriu-se em calma pura, e convidando
quantos sentidos e intuições restavam
a quem de os ter usado os já perdera

e nem desejaria recobrá-los,
se em vão e para sempre repetimos
os mesmos sem roteiro tristes périplos,

convidando-os a todos, em coorte,
a se aplicarem sobre o pasto inédito

da natureza mítica das coisas.

terça-feira, 9 de julho de 2013

Uma proposta para a Saúde Pública




Uma proposta básica para se iniciar uma conversa real em Saúde Pública neste país:

Considerando que estou vendo o Governo Federal e a oposição combinarem que nada mudará na Saúde Pública, estou apresentando esta proposta, que poderá ser modificada, questionada, excluida, discutida, lamentada, ignorada, mas o que vale é que um começo.

Se gostarem, repassem, discutam, vamos fazer chegar às ruas.

A princípio 1.000 municípios serão contemplados, e deverão ser os mais carentes do país. Nada de ir para Ipatinga ou Montes Claros, que adoram tomar tudo dos vizinhos.

No quadro coloco salários que estão dentro do mercado, para atrair os profissionais, porque falar em levar Médicos recém-formados para ficarem 2 anos no SUS, cá prá nós, é uma puta de uma sacanagem. Nem a Ditadura ousou tanto.

Perceberão que não citei Fisioterapeutas, Terapeutas Ocupacionais, Nutricionistas, etc, mas como disse é um começo.

Os recursos existem - estão no Fundo Social do Pré-Sal.

Os custos do Estado com Vigilância já estão pactuados com a União.

Considerando que R$ 2 bilhões do Pré-Sal devem ser diretamente direcionados à área de Educação, o governo calcula que outros R$ 2 bi deverão ser aplicados no Fundo Social, um tipo de poupança formada por recursos que a União recebe na produção do petróleo da camada pré-sal.

Pelo texto do Senado, o capital principal desse fundo será preservado e somente seus rendimentos financeiros serão usados, sendo 75% deles para a educação e 25% para a saúde.

Pela Proposta abaixo, estes 2 Bilhões/ano viram Saúde Pública de Qualidade.
R$ 500 milhões serão utilizados na infra-estrutura do município para receber os profissionais.
R$ 500 milhões/1000 municípios = 500 mil/município (Este gasto é único)
Estes 500 milhões nos anos seguintes irão para os demais municípios, à medida que o Pré Sal cresce em valores, se abrirão novas frentes.

Este capital investido no Programa não será inscrito nos gastos com Saúde do Município, que permanecerá obrigado a custear 15% do seu orçamento com Saúde Pública, mantendo seus serviços de rotina. O Congresso deverá criar uma Lei eliminando esta obrigatoriedade da Lei de Responsabilidade Fiscal

Não será permitida a terceirização destes serviços, exceto o serviço de Radiologia, que poderá ser local, regional ou nacional, via Online.

R$ 1,5 bilhões/ano = 150 milhões/mês
1000 municípios = R$ 150 mil/município.
União Valores em R$
Medicina 1 x 15.000 = 15.000
Farmácia 1 x 5.000 = 5.000
Enfermagem 1 x 5.000 = 5.000
Odontologia 1 x 5.000 = 5.000
Assistência Social 1 x 5.000 = 5.000
Análises Clínicas 1 x 5.000 = 5.000
Psicologia 1 x 5.000 = 5.000
Administrador Centro de Controle, Avaliação e Auditoria 1 x 5.000 = 5.000
Técnico Enfermagem 3 x 2.000 = 6.000
Técnico Análises Clínicas 3 x 2.000 = 6.000
Técnico Rx 2 x 2.000 = 4.000
Encargos Trabalhistas Regime CLT 34.000
Manutenção Rx, Análises Clínicas 50.000
Total da União 150.000

Estado
Vigilância Sanitária
Vigilância Epidemiológica
Vigilância Ambiental

Município
Serviços Gerais

Manutenção