terça-feira, 30 de abril de 2024

Palavras que rimam com você IV



Sua boca
soa paz e
sibila os céus

Seu olhar
perpassa 
minh'alma

Saudade
sei lá mais 
o que será 

Essa tristeza
que soe acontecer 
no outono


É isto aí!





sexta-feira, 19 de abril de 2024

Palavras que rimam com você III



Uma palavra
que traduza
das flores
o perfume

uma frase
que seja
bela e profusa
feito pétalas

flutuar no céu  
vagar nas estrelas 
lua nova, cometas
medos e coragens

tem coisas
que só de você
somente você
guardo em mim.

É isto aí!







 

O solteirão, a supermãe e a nora escolhida


Segunda-feira, 14março, 10 horas

Alô? É da casa da Nanda?

Não, você ligou errado.

Desculpe, eu devo ter me confundido.

Tudo bem, não se preocupe, isto acontece.


Segunda-feira, 14março, 13 horas

Alô, por favor, a Nanda...

Olha só, não é daqui, você tem certeza que ela se chama Nanda? Desculpe eu te perguntar, mas você já ligou umas dez vezes neste número.

Sim, claro que tenho. Espere, puxa vida, eu não sei o que está acontecendo, pois  já liguei neste número e sempre falei com a Nanda. Olha, desculpa mesmo. Não sei o que ocorreu.

Tudo bem, estas coisas acontecem. Pode ser que exista uma conexão. Como é esta Nanda?

Bem, ela é bonita, morena, 1,60 de altura, pesa uns 60 Kg, tem por volta de 37 anos, é advogada, divorciada, tem uma filhinha de três anos, mas, desculpe mais uma vez, eu não deveria estar falando estas coisas todas. Não entendo como liguei várias vezes para este número para falar com a Nanda. Eu peço mil desculpas pelo incômodo.

Vocês se conhecem a muito tempo?

Nos conhecemos num aplicativo de solteiros carentes, mas tudo bem. Vou checar o número, apesar de me parecer familiar. Grato, até logo.


Segunda-feira, 14março, 14 horas

Alô? É da casa da Nanda?

Flávio Renato, você é um idiota!

Espera aí, como sabe meu nome? 

Deve ser por que sou a sua mãe, em triste memória de gestação perdida para gerar um filho tão imbecil. 

Mamãe?!?! Puxa vida... mamãe, desculpa, eu não sabia, eu não deveria, eu não sei explicar esta confusão.

Não sabe uma merda. Esta Nanda deve ser mais uma destas rameiras que você paga para fingir que é homem. Em vez de casar com a Adalgiza, de quem sempre fiz gosto, vai procurar uma prostitutazinha da ralé, com filha sem pai, e ainda liga para mim achando que eu sou ela. Você é um imbecil, Flávio Renato, um idiota, um retardado, um banana, um débil mental, um fracassado...

Desculpa, mamãe, mas vou desligar, por que preciso urgentemente ligar para o meu analista.


Quarta-feira, 16 de março, 16 horas

Alô, eu queria falar com a Nanda...

Flavinho, que surpresa agradável! Sumiu, hem!! Estou sendo abandonada?

Flavinho? Ninguém me chama de Flavinho. Quem é você?

Sou eu, a Adalgiza, bem que a sua mãe falou que você queria conversar comigo, e que iria brincar de me chamar de Nanda. Alô, alô? Flavinho? Alô...


Sexta-feira, 18 de março, 11 horas

Alô, quem está falando?

É a Nanda, amor.

Você está na casa da minha mãe?

Não, amor. De onde você tirou esta ideia? Sequer conheço sua mãe. 

Meu santinhodasvertigens, está tudo rodando. Olha vou desligar, refazer minha homeostase e retorno assim que conseguir respirar novamente.


Sexta-feira, 18 de março, 12 horas

Alô! Eu quero falar com a Nanda.

É ela, amor, euzinha plena.

Olha, eu preciso fazer uma pergunta, mas seja sincera, ok?

Sim, amor, sempre sincera com você.

Por acaso minha mãe te contratou para que você me desse um telefone onde ela também atende, e que era também  o seu, para que ela me deixasse constrangido e humilhado, além de armar com uma suposta Adalgiza para falar comigo?

Eu, amor? Mas de onde você tira estas coisas?

É por que isto mexeu comigo, olha só, Adalgiza, precisamos conversar.

Amor eu sou Nanda, entendeu? A sua Nanda. 

Puxa vida, está tudo confuso. Eu posso explicar

Não precisa, amor, já entendi, esta Adalgiza é a sua via preferencial. Tudo bem, eu já desconfiava que tinha outra, e não estou com raiva. Até um dia, amor! Valeu pelas rosas!


Enquanto isto, numa rede paralela:

Alô! Adalgiza?

Nanda!? Tudo bom, amiga?

Tudo bom, querida. Deu tudo certo, pode bater que a bola está na marca do penalty, vai que é seu.

Obrigada, amiga; minha sogra vai passar aí para acertar as despesas.

Valeu, querida, foi um prazer fazer negócio com vocês.

É isto aí!

quinta-feira, 18 de abril de 2024

Invasão alienígena na Pitangueira


Não sei o que era aquilo. Acordei com um zumbido forte vindo do quintal. Cheguei sorrateiramente na janela e ao olhar para baixo, percebi que havia um objeto aparentemente sólido, de forma  geométrica com três dimensões visíveis: altura, largura e comprimento. Tal qual um prisma, possuía todas as suas faces no formato de um paralelogramo, sendo formado por 6 faces, 8 vértices e 12 arestas. Não havia portas ou janelas aparentes. 

Vi dois vultos saírem de uma aparente manifestação quântica de tunelamento pela lateral do veículo. Supostamente era um casal, mas devido à distância e a frágil luminescência, difícil garantir. Cataram todas as jabuticabas, limões, graviolas, abacates e pitangas nas árvores. Ela (?) colocou o pé esquerdo na piscina e a água borbulhou. Ele (?) fez sinal de silêncio e apontou para o alto, onde eu estava, na janela. Acenaram, entraram rapidamente no veículo, desaparecendo na lateral e logo a nave desmaterializou.

Mas que sacanagem foi esta? pensei. Tanto mato, tanto quintal e estes bostinhas vem, aqui no meu quintal, depois de ter dado duro para as árvores frutificarem; adubei, rocei, aguei, e agora isto. Na manhã seguinte coloquei uma placa de radioatividade em cada árvore. Pois você acredita que não passou três dias e os pervertidos voltaram, pegaram o resto das frutas e levaram as placas? A próxima vai ser na porrada.

É isto aí!


quarta-feira, 17 de abril de 2024

Cartas avulsas XII


Havia o brilho do seu olhar nas gotas orvalhadas do sereno sobre a caprichosa teia adornando o pé de graviola. O sereno formou-se na noite clara, de céu limpo e calmo. Brinquei com a difração da luz matinal sobre a arte engenhosa da natureza. Eram seus olhos a iluminar minha saudade.

Neste instante ocorreu-me, num átimo de memória, lembrar que o poeta Fernando Pessoa escreveu, certa vez, que "só para ouvir o murmúrio do vento valia a pena ter nascido". 

Gosto de pensar que sua existência se justifica pela variedade de saudades que é capaz de acumular. Saudades da gente, das coisas, dos lugares, das comidas, das sensações, dos sentimentos e tantas outras coisas mais que atravessaram as membranas do coração e ali se enfurnaram feito bicho da seda.

Então, de uma maneira instintiva fui engendrando sua ausência nesta carta, de forma que desejo concluí-la dando-lhe este poema do Fernando Pessoa, afinal foi por ele que fiei a saudade do brilho deste seu olhar, nesta manhã de outono. Espero que goste.

Fernando Pessoa (Alberto Caeiro)
Poema: Realidade

A espantosa realidade das coisas
É a minha descoberta de todos os dias.
Cada coisa é o que é,
E é difícil explicar a alguém quanto isso me alegra,
E quanto isso me basta.

Basta existir para se ser completo.

Tenho escrito bastantes poemas.
Hei-de escrever muitos mais, naturalmente.
Cada poema meu diz isto,
E todos os meus poemas são diferentes,
Porque cada coisa que há é uma maneira de dizer isto.

Às vezes ponho-me a olhar para uma pedra.
Não me ponho a pensar se ela sente.
Não me perco a chamar-lhe minha irmã.
Mas gosto dela por ela ser uma pedra,
Gosto dela porque ela não sente nada,
Gosto dela porque ela não tem parentesco nenhum comigo.

Outras vezes oiço passar o vento,
E acho que só para ouvir passar o vento vale a pena ter nascido.

Eu não sei o que é que os outros pensarão lendo isto;
Mas acho que isto deve estar bem porque o penso sem esforço,
Nem ideia de outras pessoas a ouvir-me pensar;
Porque o penso sem pensamentos,
Porque o digo como as minhas palavras o dizem.

Uma vez chamaram-me poeta materialista,
E eu admirei-me, porque não julgava
Que se me pudesse chamar qualquer coisa.
Eu nem sequer sou poeta: vejo.
Se o que escrevo tem valor, não sou eu que o tenho:
O valor está ali, nos meus versos.
Tudo isso é absolutamente independente da minha vontade.

7-11-1915

“Poemas Inconjuntos”. In Poemas de Alberto Caeiro. Fernando Pessoa. (Nota explicativa e notas de João Gaspar Simões e Luiz de Montalvor.) Lisboa: Ática, 1946 (10ª ed. 1993). - 83.

“Poemas Inconjuntos”. 1ª publ. in Athena, nº 5. Lisboa: Fev. 1925.






terça-feira, 16 de abril de 2024

Cartas de Amor LXXXV



Reino da Pitangueira,
Planeta Terra&Lua,
3° do Sistema Solar,
Via Láctea, Zona Sul


Querida, vamos pra lá de Marrakesh


Calma, meu bem, olha a pressão, olha a glicemia, olha as ..., pensando bem, vamos voltar ao ponto de onde fugiremos, pra lá de Marrakesh. Sei como você fica aflita, as mãozinhas suadas, os olhos embaçados de lágrimas precoces, mas como para tudo há de haver uma explicação,  nesta não será diferente. Claro, ir além do que já está longínquo é coisa de pensamento dos enamorados.

Falando nisto, sei que você preferiria, muito mais vezes, que eu pudesse tangenciar seus desejos nos seus pontos críticos de conforto, gozo e glória e que preferencialmente a conduzisse à Casablanca, este hino do amor pequeno burguês revolucionário onde eu seria o anti-herói Rick Blaine, personificado por Humphrey Bogart, e você, tão linda, tal e qual a eterna musa dos meus sonhos, Ilsa Lund Laszlo, personificada pela incomparável Ingrid Bergman. 

Ao fundo um piano soaria  As Time Goes By. Tudo muito bonito, tudo muito apaixonante, só que esta música é o marco do abismo entre dois mundos, e pela dor abissal, digamos assim, de Rick Blaine, que segue solitário por sua jornada. Não, querida, por isto nunca falo de Casablanca. Ilsa diz - Play it Sam, Play As Time Goes By and singing, Sam. E o tempo que cuide de cicatrizar e consertar tudo.

Não, querida, não posso falar de Casablanca. Prefiro ir além de Marrakesh, e claro, antes de partir creio que ainda posso permitir-me sonhar com você ao meu lado no centenário La Mamounia Hotel, em dias imperdíveis e inesquecíveis. 

Neste ponto em diante, nos sonhos profundos e até nos lúcidos, sigo sozinho Saara a dentro, no rumo leste, sob o céu como testemunha e as areias sem rastros por entre as dunas dos desafios na vida. Na cabeça fico escutando sua voz trêmula pedindo a nossa música proibida em Casablanca e o tempo passa lentamente. Somos nossas emoções, querida, é isto que somos. Um cafuné no cabelo, um afago na face, um beijo apaixonado e um abraço apertado.

P.S. Se der ou se for possível, mandarei notícias de Timbuktu.

Saudades

É isto aí!








segunda-feira, 15 de abril de 2024

Confissões

Esta  postagem profética foi inicialmente publicada em Maio de 2017, aqui mesmo neste Reino da Pitangueira, já norteando o que viria depois. Sofreu apenas pequenas atualizações para conduzir o sentido pretérito aos dias de hoje. 

Eis que, num dia chuvoso, triste e frio, Fulano de Tal, ex-tudo, entrou no fechado e restrito Círculo do Templo dos Pecadores de Bens, em silêncio. Procurou um local discreto, afastado dos holofotes da Luz Celestial. Ajoelhou-se com extrema dificuldade devido ao excesso de peso e da artrite instalada há muito tempo. Postou os cotovelos sobre o encosto do confessionário, uniu as mãos e fez sua confissão ao Dom, o Mestre, em voz rouca e embargada :

Oh, Senhor Mestre de todas as Companhias dos Homens de Bem, beijo-te a mão e vos imploro:

- Fazei de mim um homem livre dos pecados descobertos, mas acobertai os escondidos.

- Que eu perca só o que foi denunciado, mas preserve o roubo acumulado.

- Que eu seja esquecido pela mídia.

- Que eu não sofra muitos achaques, se sofrer que sejam pequenos e breves.

- Que meus amigos desapareçam e meu inimigos me evitem.

- Que minhas contas em sete paraísos fiscais permaneçam intactas.

e por fim, já que só posso fazer sete pedidos:

- Que a Gildinha seja fiel, além da minha esposa, é claro. Como? Só uma? Que seja a Belinha, então, afinal ela é mais, humm, digamos assim, mais dentro do meu padrão de adiposidade tateável.

Amém!!!!

Assim disse o Mestre dos Mestres dos Mestres dos Mestres, Pai de todas as Companhias de Bem:

Vá, poveraccio, tua fé nos salvou!


É isto aí!

sexta-feira, 12 de abril de 2024

Só pensando.

Já reparou que toda vez que tem um eclipse solar, a horda e as guildas se ouriçam e saem espalhando que agora será o fim disto, o fim daquilo, etc., o arrebatamento, a morte dos inimigos, a determinação dos escolhidos?

Toda e qualquer pessoa medianamente informada sabe que os eclipses solares acontecem duas vezes ao ano, com um intervalo de aproximadamente seis meses entre eles, coincidindo com o alinhamento das órbitas solar, lunar e terrestre. 

Onde chegaremos com esta percepção?

É que assim, supostamente, as maldades humanas, bestiais e vorazes parece que ficam de lado, pois talvez o importante seria a profecia se cumprir como querem e ou desejam seus interlocutores. No final sempre cairá ou ocorrerá uma desgraça entre um evento e outro, coisa normal para um planeta tão belo e tão mal frequentado. Desta forma seria feita a Justiça Divina como estava escrito, livrando a cara dos mandantes?

Vamos combinar que é cada profecia mais bem elaborada que a outra. Santos, profetas, líderes religiosos e videntes disputando  fervorosamente quem vencerá a disputa. Ao vencedor, as batatas, tal como filosofou Quincas Borba, em imperdível romance de Machado de Assis.

Para Quincas Borba, a frase significa que os vencedores podem desfrutar das batatas nos campos de guerra, simplificando ao máximo o Humanitismo e seu preceito básico de que, na luta pela sobrevivência, quem vence é o mais forte. Bom lembrar que Humanitismo é o nome da filosofia criada por Joaquim Borba dos Santos, o Quincas Borba, um dos mais célebres personagens de Machado de Assis, que é exposta fundamentalmente no romance homônimo. 

O incrível Machado de Assis coloca em seu impagável personagem a ideia de que o Humanitismo, assim como a teoria da seleção natural, lançada por Charles Darwin entre 1842 e 1844, está baseado na sobrevivência dos mais aptos e enxerga a guerra como forma de seleção da espécie. A filosofia de Quincas Borba afirma que a substância da qual emanam e para a qual convergem todas as coisas é Humanitas. Leia o Livro e decifrará as profecias, os eclipses e as batatas no campo.

É isto aí!

terça-feira, 9 de abril de 2024

Lembra de mim - História da Música (Ivan Lins - Vitor Martins)



Atenção: O texto abaixo foi copiado da página de Ivan Lins no Facebook, onde conta a história da música “Lembra de Mim”, composta em parceria com Vitor Martins:

Amigos,

“Lembra de mim” foi composta em 1992 em Woodland Hills, L.A. Califórnia e faz parte de uma  coletânea de canções feitas neste período , que chamei de "Saudades do Rio", já que não aguentava mais aquela cidade sem esquinas, onde você perde seis horas por dia dentro de um automóvel, se não mais.

Muita saudade de meus parentes e amigos e da natureza estonteante.  

Pois bem, a melodia até que saiu rápido, mas havia certa melancolia em mim. Quando voltei ao Brasil, essa música ficou guardada por quase dois anos. No final de 1994, comecei a pré produção do CD "Anjo de mim", num apart hotel em Sampa e foi ali que desovei três canções da coletânea, incluindo "Lembra de mim". Não tinha letra ainda, mas já estava nas mãos do Vitor Martins.

Quando chegou a letra , me deu um aperto no coração. Me veio a lembrança de uma paixão de juventude, que terminou quase bruscamente, me deixando mal por quase dois anos. Além de nunca mais ter visto, tinha medo de um dia reencontrá-la, para dizer a verdade, o que realmente aconteceu  há dez anos, na saída de um show, no extinto Canecão, me balançou, mas depois passou. 

Curiosamente não sei se o Vitor pensou em alguém quando escreveu a letra . Ele é muito fechado nestes assuntos; mas o texto veste bem em tanta gente, não é?

Abraços

Ivan


Lembra de mim (Ivan Lins - Vitor Martins)

Lembra de mim
Dos beijos que escrevi
Nos muros a giz
Os mais bonitos
Continuam por lá
Documentando
Que alguém foi feliz...

Lembra de mim
Nós dois nas ruas
Provocando os casais
Amando mais
Do que o amor é capaz
Perto daqui
Há tempos atrás...

Lembra de mim
A gente sempre
Se casava ao luar
Depois jogava
Os nossos corpos no mar
Tão naufragados
E exaustos de amar...

Lembra de mim
Se existe um pouco
De prazer em sofrer
Querer te ver
Talvez eu fosse capaz
Perto daqui
Ou tarde demais...

Lembra de mim!...

Lembra de mim
A gente sempre
Se casava ao luar
Depois jogava
Os nossos corpos no mar
Tão naufragados
E exaustos de amar...

Lembra de mim
Se existe um pouco
De prazer em sofrer
Querer te ver
Talvez eu fosse capaz
Perto daqui
Ou tarde demais...

Lembra de mim...

Abaixo a belíssima interpretação de Sandra Duailibe (São Luís MA), compositora, cantora, youtuber e produtora cultural brasileira. É odontóloga de formação, empresária do turismo, e desde 2005 dedicada exclusivamente à música. Fez diversos shows no Brasil e no mundo. Dividiu o palco com Tibério Gaspar, Simone Guimarães, Miele, Claudia Telles, Nonato Buzar, dentre outros. 

Sandra também homenageou a capital federal no show Brasília: 50 anos de música com a Orquestra Filarmônica de Brasília, em 2010.


Siga Sandra Duailibe: www.fb.com/sandraduailibe
Inscreva-se no seu canal do Youtube: https://goo.gl/nKUA8U 




domingo, 7 de abril de 2024

Do poema que fiz




Fiz um poema 
seu e meu 
um poema 

descrito,  
contado, 
exposto, 

narrado, 
relatado, 
explicado, 

dito de amor, 
mil vezes revelado
recontado na história.

O escrevi, este poema
na folha das
memórias 

guardei 
escondi
dobrado

para o dia 
que não fosse 
mais preciso guardá-lo. 

É isto aí!


Papo de Esquina - Existem pessoas más

 


Existem pessoas más, encobertas pela hipocrisia, que é uma característica onde falsidade e dissimulação andam de mãos unidas. Conheço hipócritas, são perfeitos, sempre limpinhos e perfumados. Adoram mentir, adoram, obter vantagens com traições, rasteiras e maldades, tudo com muita discrição e elegância. Conheço o tipo. 

Existem pessoas más, encobertas pela inveja. Ao contrário, ou complemento da hipocrisia, mentem descaradamente, porque lutam em total desespero para que você perca o que tem - um carro, um amor natural e lindo; uma casa; um emprego; amizades duradouras; etc. Ele nunca quer alguma coisa sua para si, apenas tem tesão pela dor da sua perda, preferencialmente provocada por ele, mas se for por outra pessoa, regozijam também, afinal, aceitam encomendas do inferno. 

Existem pessoas más que são boazinhas. Fuja delas. Saiba que não possuem nenhuma relação com as pessoas boas. Trazem consigo aquele sorrisinho, aquele andar felino, aquele jeito de quem acabou de tomar banho, mas nunca evidenciam sentimentos. As boazinhas não têm lado nem defeitos aparentes; não têm atitude, tendem a ser puxa-sacos profissionais e sempre conformam-se com a coadjuvância. Mas, alto lá, mas sempre procuram que as coisas aconteçam com querem - custe o que custar e leve o tempo que demorar. 

Existem pessoas más portanto fique esperto, fique esperta.

É isto aí!

sábado, 6 de abril de 2024

Ziraldo!!!


 "Todo lado tem seu lado

Eu sou o meu próprio lado

E posso viver ao lado

Do seu lado, que era meu."

Trecho do poema do Menino Maluquinho

Meu querido poeta e multipolisuper cartunista, chargista, pintor, escritor, dramaturgo, cartazista, caricaturista, cronista, desenhista, apresentador, humorista e jornalista Ziraldo, não fiquei triste com sua partida sem despedidas, mas do deserto que se segue na cultura nacional após partir.

Um abraço, sim, sei, o Céu está em festa!

É isto aí!


quinta-feira, 4 de abril de 2024

Cartas de Amor LXXXIV


Reino da Pitangueira,
Planeta Terra&Lua,
3° do Sistema Solar,
Via Láctea, Zona Sul

Querida, dança comigo?

Calma meu bem! Não fique aflita. Deu que numa madrugada insone você entrou nos meus pensamentos e daí, inevitavelmente, não tive como deixar de pensar em você explicada pela filosofia. Já esclareço, querida, calma, isto, calma. Saiba que Sêneca ensinou que você, linda, não é aquela de quem se elogiam as pernas ou os braços, mas aquela cuja inteira aparência é de tal beleza que não deixa possibilidades para admirar as partes isoladas.

Daí arrisquei chamá-la para dançar no imenso salão dos sonhos lúcidos, numa inefável noite sem luar. Você flutuava no salão, e eu, bem ... eu perambulava com minha rigidez clássica. Como sabe, não sei dançar. Sempre fui horrível neste quesito social. Ainda bem que isto não é ponto categórico, claro, positivo ou terminantemente decisivo para gostar de você. Bailemos então, eu disse, dentro do possível, com movimentos de deslizamento e giros, executados em um ritmo de três tempos deslocando-nos pelo salão de forma quase harmoniosa, perseguindo, na medida do possível, o compasso da música.

Não chore, não, por favor, não chore. Você esta linda no seu vestido de baile. Logo perguntei - Querida, vamos parar um pouco, respirarmos  e tomarmos fôlego? Sente-se melhor? Que bom. Veja, o dia já vai aparecer e a magia desta madrugada tão linda esvai. Logo a vida seguiu, num ir e vir infindo. 

Sabe, a saudade é isto, dançar por encantamento com seu ser que habita em mim ao alcance dos meus pensamentos. Como já escrevi em outras cartas, tem hora que tudo que a pessoa precisa é da outra pessoa. 

Um cafuné nos cabelos, um afago na face, um beijo apaixonado e um abraço apertado.

É isto aí!



Música: Esquina do Brasil (Instrumental)
Músico: Nonato Luiz 
Autor: Evaldo Gouveia / Fausto Nilo